STF

Crime de responsabilidade é crime “com uma índole política muito grande”, diz Gilmar Mendes

Ministro comentou em entrevista ao Segunda Chamada o impasse envolvendo o Orçamento da União
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um crime de responsabilidade é configurado quando é reconhecido pelo Congresso, afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes ao Segunda Chamada. O magistrado comentou, em trecho exclusivo para membros, o atual imbróglio envolvendo o Orçamento da União.

“Crime de responsabilidade não é qualquer crime, é um crime com uma índole política muito grande. E como que ele se reconhece? Normalmente quando a Câmara assim o diz, por uma maioria de dois terços, e o Senado assim o replica. Então é preciso ter essa visão”, diz Gilmar.

Alvo de impasse entre Governo Federal e Congresso, o atual Orçamento da União para 2021 ainda não foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Como o Orçamento prevê repasses de recursos acima do teto de gastos, há quem argumente que Bolsonaro poderia estar cometendo um crime de responsabilidade se aprovar o documento sem vetos.

O Governo Federal tem até quinta-feira (22) para sancionar ou vetar o Orçamento.

Relacionadas
PEDIDO DE EXTRADIÇÃO
Pedido foi feito pela Polícia Federal, para evitar que Allan dos Santos interfira nas investigações sobre os atos antidemocráticos e o inquérito das fake news
CPI DA PANDEMIA
Depoimentos representaram algumas das histórias dramáticas vividas pelas famílias dos mais de 600 mil mortos pela Covid-19 no Brasil
IMPOSTOS
Chefes dos Executivos estaduais apostam na construção da imagem de Pacheco como candidato em 2022 para impedir alíquota única do tributo
REAÇÃO
“Safados”, “vagabundos” e “pedófilos” foram os adjetivos utilizados pelo parlamentar
NOVOS RUMOS
Contarato disse que se identifica com o PT, mas também está conversando com lideranças do PSB e do PDT para decidir novo caminho partidário
LEVANTAMENTO
Pesquisa do portal Poder 360º mostra que Bolsonaro pode ter se beneficiado de fase de armistício com o Poder Judiciário, avalia o jornalista Fernando Rodrigues
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.