ELEIÇÕES 2022

Em eventual 2º turno com Lula e Bolsonaro, Amoêdo diz ser difícil saber em quem votaria

“O problema é que agora o menos pior está muito próximo do pior, quase não tem diferença", afirmou em participação no Segunda Chamada
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um dos candidatos à presidência em 2018, o empresário e cofundador do Partido Novo João Amoêdo diz que ainda é difícil saber em quem votaria em um eventual segundo turno que contraponha o ex-presidente Lula (PT) e o atual, Jair Bolsonaro (sem partido). O cenário é tido como um dos mais prováveis para as eleições de 2022, apontam pesquisas recentes.

“O problema é que agora o menos pior está muito próximo do pior, quase não tem diferença. Então, eu vou trabalhar para que não tenha essa opção. É difícil saber em qual dos dois votar. Eu prefiro usar esse um ano e meio que resta para a gente ver se vem com alguma coisa distinta”, afirmou em resposta à jornalista Cecília Olliveira no Segunda Chamada de ontem (10). 

Apresentado por Antonio Tabet, o programa também contou com as participações da diretora de redação do Metrópoles, Lilian Tahan, e da diretora do Instituto Igarapé, Ilona Szabó.

João Amoêdo, candidato à presidência pelo Partido Novo em 2018. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
João Amoêdo, candidato à presidência pelo Partido Novo em 2018. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Para Amoêdo, declarar o voto agora significa aceitar as soluções que estão sendo postas para o Brasil: “Foi esse o discurso lá atrás: para tirar o PT, eu voto no Bolsonaro. E a gente não pode cair nessa mesma armadilha”.

O empresário ressaltou ainda que se abster dessa decisão também não é uma via confortável. “Não votar, também anular o voto, ou viajar… Eu me sinto um pouco sendo ausente do processo. Quer dizer, deixando de assumir a minha responsabilidade como cidadão. Não é uma solução que também vai agradar”, explica.

Frente ampla para 2022

Em 31 de março, seis dos pré-candidatos à presidência divulgaram um manifesto dizendo que a democracia está ameaçada e que é necessário “defender o Brasil”. Além de João Amoêdo (Novo), assinaram o texto Ciro Gomes (PDT), Eduardo Leite (PSDB), João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Luciano Huck (sem partido). A aproximação desses nomes é vista como um passo inicial de uma possível parceria para 2022.

“Essa união de alguns grupos não vai acontecer agora, mas eu acho que ela necessariamente tem que acontecer antes do primeiro turno. Eu também acredito num cenário, vamos dizer, que a disputa da semi-final é com o Bolsonaro. A final será com o Lula”, destaca Amoêdo, que recentemente se reuniu inclusive com o ex-juiz Sergio Moro e com o comediante Danilo Gentili.

“É um processo difícil porque tem as agendas partidárias, tem os interesses de cada um, tem seus próprios desejos, tem os partidos, que também têm influência… Mas acho que a gente tem que tentar”, destacou Amoêdo. Segundo ele, o grupo de WhatsApp dos presidenciáveis permanece, ainda que no momento esteja “muito pouco ativo”.

Segunda Chamada com Amoêdo

Relacionadas
Investigação apura acusação feita por Moro de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal
VOTO IMPRESSO
Possível presença do delegado-geral da PF, que não se concretizou, gerou receio de politização da corporação no debate sobre voto impresso
LIVE DO PRESIDENTE
Em uma transmissão de um pouco mais de duas horas, o presidente resgatou vídeos da internet que comprovariam fraudes nas eleições de 2014 e 2018, atacou o TSE, a imprensa e elogiou seus ministros
SISTEMA ELEITORAL
Em entrevista ao Café do MyNews, Diogo Rais avalia que a pressa pela mudança no sistema de votação pode levar a um colapso
Fake News
Nas redes sociais, STF divulgou campanha rebatendo posicionamento federal de que teria tirado a competência do governo no combate à pandemia
QUARTA CHAMADA
Além de investigar contratos irregulares, CPI da Pandemia vai convocar novamente pessoas que mentiram em depoimento
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.