colunista Vilma Pinto
Economista e pesquisadora da FGV IBRE
Mercado de trabalho

É momento para ser otimista?

Dados econômicos de janeiro podem trazer um tom de otimismo em meio a um mar de notícias ruins
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em janeiro, o cadastro geral de empregados e desempregados registrou um saldo positivo de 260,4 mil postos de trabalho. Isso significa que no período, houve um número maior de admissões (1,53 milhões) do que de demissões (1,27 milhões). Do saldo registrado no mês de janeiro, cerca de 32% ocorreu no setor de serviços e cerca de 34% nas indústrias de transformação.

Com a taxa de desemprego muito elevada, o recrudescimento da pandemia e as dificuldades de avançar no cronograma de vacinação, o resultado atual trouxe um tom de otimismo em meio a um mar de notícias ruins. Mas é importante duas ponderações acerca dos resultados divulgados. 

O primeiro é que as estatísticas de emprego formal do início do ano não deverão refletir a situação dos meses seguintes. Isso deve ocorrer, devido a recente intensificação das medidas de isolamento social, que provocou nova rodada de fechamento do comércio e serviços não essenciais e com consequentes impactos sobre o mercado de trabalho. 

Adicionalmente, é importante pontuar que, apesar de ter previsão de nova rodada do Auxílio Emergencial (AE) e do Benefício Emergencial de manutenção do emprego e da renda (Bem), o pacote de medidas fiscais para o ano de 2021 deverá ser muito mais enxuto que o observado em 2020.

O segundo diz respeito a dimensão setorial dos resultados de janeiro. O setor de serviços é o que mais emprega, de modo que 47% do estoque de empregos formais está concentrado neste segmento. Além disso, o setor de serviços também é o mais afetado pelos efeitos econômicos da pandemia, principalmente os serviços prestados às famílias. 

Segundo as expectativas de mercado do dia 12 de março, medida pelo relatório Focus do Banco Central, o setor de serviços deve registrar queda de 1,05% no primeiro trimestre deste ano. Ademais, a lentidão no processo de vacinação da população, somado ao aumento significativo do número de casos e de mortes por Covid-19 aumentam as incertezas para os meses seguintes.

Enfim, embora o resultado de janeiro tenha sido de saldo positivo, infelizmente, a análise do cenário prospectivo sinaliza em outra direção. Para evitar que haja uma piora no mercado de trabalho, na economia e que mais vidas percam a batalha para o vírus, é imperativo que o governo acelere o processo de vacinação da população.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Desempenho fiscal
Para compreender o comportamento do resultado primário da União é preciso, paralelamente, entender os eventos atípicos que circundam a economia do país
Contas públicas
Acredito que esteja pacificado que a crise dos governos estaduais não é essencialmente derivada do excesso de endividamento, mas também é decorrente de um problema de fluxo
Teto de gastos
Estimativa da Lei Orçamentária Anual apresenta diferença significativa entre os números sujeitos ao teto de gastos
Três fatores explicam a deterioração e a recuperação da arrecadação de tributos durante a atual crise sanitária
Desigualdade de gênero
Aumento da taxa de desocupados foi fomentado pela pandemia, mas afetou principalmente as mulheres
RECURSOS
Imbróglio trouxe a necessidade de explicitar algumas questões chaves do nosso federalismo fiscal, destrinchar os números divulgados e o contrapor com o outro lado da moeda

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.