colunista Francisco Saboya
Superintendente do Sebrae Pernambuco
Coluna – Francisco Saboya

Transformação digital não é digitalização

O despertar para a transformação digital nem sempre vem acompanhado da devida compreensão do fenômeno
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

As medidas restritivas de isolamento social para enfrentamento da Covid-19 ajudaram a disseminar o conceito de “transformação digital”, trazendo um sentido de urgência para certas mudanças de estratégia que corporações, pequenos negócios ou governos já deviam estar fazendo há muito tempo. Nada de novo. O potencial das tecnologias digitais para alavancar novos ou antigos negócios é reconhecido há décadas. O problema é o ritmo de adoção, que sempre andou a passos de tartaruga por aqui. A pandemia parece ter despertado o tecido produtivo brasileiro para a economia digital.

Não necessariamente com esse nome, “transformações digitais” (no plural) vêm ocorrendo pelo menos desde os anos 80, motivadas por fatores como a consolidação da microcomputação e consequente ampliação da base de usuários digitais, e a introdução da internet comercial com banda larga nos anos 90-00’s. O que se viu a partir daí foi a articulação exponencial de redes de computadores (incluindo smartphones), de pessoas e, mais recentemente, de objetos.

Dados passaram a ser gerados e consumidos em volume e intensidade inimagináveis e por quantidades cada vez maiores de agentes digitais, oportunizando, por meio de sofisticados complexos de tecnologias e algoritmos, a exploração econômica inteligente de toda uma riqueza antes perdida em bancos de dados de transações em formato digital.

Potencial das tecnologias digitais para alavancar novos ou antigos negócios é reconhecido há décadas
Potencial das tecnologias digitais para alavancar novos ou antigos negócios é reconhecido há décadas. (Foto: Pixabay)

O valor dos dados na nova economia foi particularmente evidenciado a partir da imagem criada pela revista inglesa The Economist, em 2017, segundo a qual “dados são o novo petróleo”. É uma boa metáfora para caracterizar os dois estágios de um mundo em transição: o tradicional-analógico e o moderno-digital.

Se os dados são isso mesmo, então as empresas têm dois desafios pela frente: correr atrás deles e desenhar novas estratégias orientadas por eles, em especial aquelas voltadas para conhecimento, conquista e retenção de clientes. Tirar proveito de dados em contextos de inovação e incerteza em relação ao futuro, estruturar negócios diferenciados em redes e plataformas digitais e desenhar novos modelos de negócios voltados para a geração crescente de valor para o cliente em mercados abertos e hipercompetitivos são o core da Transformação Digital. É conveniente lembrar que, como apontam os especialistas em mercados digitais, não se compra mais um cliente com propaganda; conquista-se com experiências de relacionamento mobilizadoras e com propostas de valor efetivas e continuamente calibradas pelas suas necessidades.

Retomando o raciocínio do primeiro parágrafo, a questão é que o despertar para a transformação digital nem sempre vem acompanhado da devida compreensão do fenômeno. A transformação digital não é um produto de prateleira; é um processo complexo que envolve, além das tecnologias digitais em si, a capacitação de pessoas em novos repertórios habilitadores de novas práticas e a mudança da cultura organizacional. Mas isso dá um trabalho imenso e é mais fácil criar atalhos. Um deles é reduzir a Transformação Digital à Digitalização de Processos. Não que seja fácil digitalizar um negócio. Também toma tempo, custa caro e quase sempre dá errado.

O que se coloca é a necessidade de se diferenciarem as coisas para avançar na implementação eficaz de uma e outra. O foco da digitalização é obter a máxima eficiência operacional por meio da utilização de sistemas e tecnologias de informação para automação de tarefas operacionais e administrativas e para suporte à condução dos negócios, especialmente quanto ao processo de tomada de decisão. Isso é desejável em qualquer contexto. O alerta aqui é que, em tempos de mudança acelerada na dinâmica dos negócios, esse esforço tende a malograr por uma razão muito simples: o dinheiro vai pro lugar errado, vai pro passado, ao encontro de estratégias empresariais vencidas no tempo.

Na economia digital, digitalização não é estratégia. Transformação Digital sim. E provavelmente será A estratégia pelos próximos 5 anos. Quem não a fizer nesse tempo, corre o risco de não ter mais o que fazer em tempo algum.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Minha sugestão: revoga o decreto, reescreve reduzindo para cinco páginas, renomeia como ‘diretrizes básicas para uma estratégia de IA no Brasil’
Biden anunciou um pacote de investimentos para ampliar a competitividade da economia americana. É uma espécie de New Deal
O fato é que nos últimos 10 anos o país perdeu posição relativa no índice de inovação
O que será
80 anos depois da publicação do livro “Brasil, um país do futuro”, a nação brasileira ainda vive de passado
COLUNA – FRANCISCO SABOYA
O FNDCT, uma das principais fontes de recursos para o apoio à infraestrutura científica e tecnológica do Brasil, pode ser usado para pagamento da dívida pública
inovação
As cidades hoje têm que ser mais competitivas segundo os parâmetros da sociedade do conhecimento

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.