colunista Hermínio Bernardo
Produtor e repórter do MyNews
LITERATURA EM FATOS

As mulheres na luta contra a ditadura em Belarus

Alexander Lukashenko é conhecido como o último ditador da Europa. Ele está no comado de Belarus há quase 30 anos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em agosto de 2020, Alexander Lukashenko foi reeleito mais um vez presidente de Belarus com mais de 80% dos votos. A fraude nos resultados é evidente e manifestantes foram às ruas. A polícia agiu com truculência, milhares de pessoas foram presas. Há denúncias de torturas nas prisões do país, além da prisão arbitrária de jornalistas e opositores.

Nesse cenário, o regime autoritário de Belarus ordenou que um avião comercial da empresa Ryanair, que saiu da Grécia com destino à Lituânia, desviasse a rota e fizesse um pouso de emergência em Minsk, capital de Belarus.

Prisões nos protestos em Belarus em 2020. Foto: redes sociais
Prisões nos protestos em Belarus em 2020. Foto: redes sociais

Um caça acompanhou o avião até o aeroporto. O governo bielorrusso alegou que havia uma ameaça de bomba para o pouso. Não havia nenhum explosivo e a polícia prendeu o jornalista Roman Protasevich que estava na aeronave.

A oposição e a comunidade internacional acusam Lukashenko de sequestrar uma aeronave comercial. Protasevich estava em uma lista de procurados do governo de Belarus pelos protestos de 2020.

A Otan e a União Europeia repudiaram a ação e exigiram explicações. Companhias aéreas passaram a evitar o país. Os Estado Unidos anunciaram sanções econômicas.

Em Belarus, as mulheres estiveram na linha de frente nos protestos a favor da democracia. Elas fizeram cordões de isolamento para tentar impedir a violência policial. Com mulheres como as principais opositoras políticas, Lukashenko já fez inúmeros comentários machistas e misóginos.

Personalidades públicas e ativistas formaram Conselho de Coordenação, que se opõe à ditadura e busca uma transição democrática. Neste grupo está Svetlana Aleksiévitch, a escritora mais celebrada do país e vencedora do Nobel de Literatura em 2015.

Em “A guerra não tem rosto de mulher”, Svetlana Aleksiévitch traz relatos da Segunda Guerra Mundial a partir do olhar feminino. A revolução é uma palavra feminina.

“A vila de minha infância depois da guerra era feminina. Das mulheres. Não me lembro de vozes masculinas. Tanto que isso ficou comigo: quem conta a guerra são as mulheres. Choram. Cantam enquanto choram.”

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
O corpo negro é o alvo da bala perdida
LITERATURA EM FATOS
País asiático revisa política de natalidade. Mudanças são marcas históricas da China
LITERATURA EM FATOS
Impasse diplomático entre Espanha e Marrocos causa crise migratória e cenas impressionantes de pessoas que tentam sobreviver
LITERATURA EM FATOS
Literatura nos traz a Cidade Santa que é o centro de disputas históricas
LITERATURA EM FATOS
Ator e humorista foi mais uma das mais de 400 mil vítimas da covid no Brasil e deixa legado por sua representatividade
LITERATURA EM FATOS
Astronauta morreu aos 90 anos. Collins participou da missão Apollo 11, que levou o homem à lua em 1969

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.