Revisão de medidas

Anvisa amplia prazo para guardar vacina da Pfizer em geladeira

Revisão nas condições de armazenamento permitirão que imunizante seja distribuído para mais cidades
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta sexta-feira (27) uma revisão nas condições de armazenamento da vacina Cominarty, produzida pela Pfizer/Wyeth. Agora é permitido mantê-la em temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC por até 31 dias. Na prática, permite que o imunizante fique guardado em geladeira comum por mais tempo.

Invólucro de armazenamento de doses da vacina Cominarty, produzida pela Pfizer.
Invólucro de armazenamento de doses da vacina Cominarty, produzida pela Pfizer. Foto: Reprodução (Flickr).

Antes, o prazo para a permanência nesta temperatura era de no máximo cinco dias. A revisão foi feita com base nos estudos de estabilidade apresentados pela Pfizer. Essa mudança já foi aprovada pela agência sanitária da Europa e pela FDA (Food and Drug Administration), dos Estados Unidos.

Com a mudança, mais cidades poderão receber a vacina da Pfizer. Hoje, por conta das condições mais restritas de armazenamento, ela só tem sido administrada nas capitais do Brasil.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Quinta Chamada
Neurocientista Suzana Herculano destaca que fuga de cérebros é influenciada por falta de recursos e bolsas não permitem “vida independente”
Geopolítica
Felipe Loureiro destaca que encontro entre o presidente dos EUA e Vladimir Putin pode aparar arestas na relação entre as duas potências nucleares
IMPORTAÇÃO EXCEPCIONAL
A autorização é para quantidades reduzidas de doses da vacina, permitindo o monitoramento e a ação imediata da Agência
Fórum internacional
Coalizão de países mais ricos do mundo reuniu-se no Reino Unido e emitiu comunicado em defesa do multilateralismo
Colonialismo
Berlim e Paris reconheceram sua responsabilidade na morte de milhões de africanos no século XX
VACINA
Seis estados e o Distrito Federal optaram por aguardar a decisão da Anvisa sobre o uso emergencial da vacina russa contra a Covid-19

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.