OPINIÃO

Comércio exterior: a potência da região Noroeste de São Paulo

As duas maiores cidades da região – Catanduva e São José do Rio Preto somam US$ 222 milhões em exportações
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Dados do Ministério da Economia mostram que o Estado de São Paulo ocupa a primeira posição no ranking de exportações brasileiras, com 18,75% de participação em toda a movimentação internacional de janeiro a outubro deste ano. Foram US$ 43,7 bilhões neste período. Atrelado aos bons resultados de todo estado, não podemos deixar de apresentar a potência para os negócios internacionais da região Noroeste paulista, mais precisamente da região de Catanduva, na qual situa nossa Associação Comercial e Empresarial.

Para se ter uma ideia, as duas maiores cidades da região – Catanduva e São José do Rio Preto (sem contar os municípios vizinhos) somam US$ 222 milhões em exportações.

Marcos Escobar - presidente da Associação Comercial e Empresarial de Catanduva
Marcos Escobar – presidente da Associação Comercial e Empresarial de Catanduva (SP)/Foto: Divulgação

Catanduva com seus 122 mil habitantes, ocupa a 206ª posição no ranking de exportações no Brasil e 48º no Estado (Foi responsável por US$ 200 milhões). Dentro de uma das principais regiões sucroalcooleiras do país, 48% dos produtos exportados são açúcar e derivados da cana-de-açúcar; 25% essências e concentrados de café e 22% óleo de amendoim. Dados consolidados e apresentados diretamente pelas movimentações das empresas, não relacionados ainda balanços daquelas que fazem todo o processo de exportação por meio de trading company, geralmente com sede na capital paulista.

Ainda na região, podemos destacar Novo Horizonte, com US$ 61 milhões em exportações, 61% na produção do açúcar, 31% álcool etílico e 7,5% em amendoim.

Ao analisarmos a microrregião de Catanduva, composta por 19 municípios, de janeiro a outubro as exportações somaram US$ 406 milhões – montante significativo mesmo em um ano ainda tão prejudicado pela pandemia da Covid-19.

É com base em todo esse potencial e ciente de que a região tem ainda muito mais a explorar, apresentar e desenvolver, que a Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Catanduva criou o grupo NACE – Núcleo ACE de Comércio Exterior – que tem como o foco auxiliar os empresários de toda região no processo para os negócios internacionais.

Orientá-los, auxiliá-los nos procedimentos, identificar o potencial dos produtos, trâmites burocráticos e muitos outros. O Núcleo nasceu com a proposta de contribuir não só para o município de Catanduva, como para qualquer empresário ou empresa do Estado de São Paulo e que tem o objetivo de adequar o negócio para as transações internacionais – seja exportações ou importações.

Como ponto de partida, o NACE fez o primeiro encontro, o maior já organizado na região, no dia 23 de novembro. Mais de 200 empresários participaram e reuniu os maiores nomes do setor como palestrantes. Renato Pacheco Neto, Cônsul da Suécia; Charles Tang – Presidente da Câmara do Comércio e Indústria Brasil/China; Miguel Lujan Paletta – Presidente da Câmara de Indústria e Comércio do Mercosul e Américas, João Paulo Paixão, chefe do Escritório Internacional da Dubai Chamber of Commerce & Industry no Brasil; Damaris Eugenia – presidente da CECIEX – Conselho Brasileiro Empresas Comerciais Exportadoras; Higor Sarracini Lima, coordenador de produtos e serviços da Câmara Americana de Comércio de Ribeirão Preto, Fabio Malheiros, especialista em comércio exterior e Vinícius Estrela, Chefe do escritório da Apex Brasil para região Sudeste.

Seguimos em frente, na expectativa de resultados ainda melhores em 2022, gerando não só cenários diversificados para as empresas, mas para o desenvolvimento de todo Estado, dos municípios. Trazer essa conectividade, apontar direções e estimular ainda mais a balança comercial brasileira como um todo e que sejamos também exemplos para outras regiões, outros estados brasileiros.


Quem é Marcos Escobar?

Marcos Escobar é economista, mestre em economia pela Unicamp, mestre em agronegócio pela Escola de Agronomia de Rennes – França; pós-graduado em comercialização em commodities agrícolas e energia pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), presidente da Associação Comercial e Empresarial de Catanduva (ACE).

* As opiniões dos artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a visão do Canal MyNews


Relacionadas
OPINIÃO
Não parece justo que a União possa exigir descontos ou protelar a dívida por mais tempo do que aquele que o credor aguardou durante um longo processo na Justiça, sobretudo se analisarmos que qualquer cidadão deve quitar dívidas contraídas com o Estado prontamente
OPINIÃO
A entrada de Sergio Moro no cenário político acarretou a reação dos extremistas de direita e de esquerda e dos viciados em dinheiro público, espalhados por todo espectro político/ideológico, que têm medo do combate à corrupção
CÂNDIDO MENDES PRUNES
Com as atuais regras do jogo político o Brasil está diante da bizarra situação de um presidente em busca de um partido
REALIDADE AUMENTADA
Muitos estão dizendo que o metaverso não é ficção científica, mas sim o futuro da internet, algo que pode se tornar uma oportunidade de negócios nos próximos anos, além de mudar radicalmente a forma com que trabalhamos, estudamos, nos divertimos e vivemos
OPINIÃO
Às vésperas da COP-26 em Glasgow, que reunirá lideranças para discutir metas e compromissos dos países em relação às mudanças no clima, a imagem do Brasil continua altamente deteriorada
OPINIÃO – JOAQUIM LEVY
As perguntas sobre o IRPJ não surpreendem, porque o imposto arrecadou mais de R$ 170 bilhões em 2020 e pode passar de R$ 200 bilhões em 2021. Perto da metade dessa arrecadação vai constitucionalmente para Estados e municípios
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.