colunista Hermínio Bernardo
Jornalista
LITERATURA EM FATOS

Contarato e a luta contra a homofobia

Não é brincadeira, é crime. E quem decidiu isso foi a Justiça
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Na sessão da CPI da Pandemia nesta semana, o senador Omar Aziz cedeu a cadeira da presidência da comissão para o senador Fabiano Contarato. O parlamentar fez um dos discursos mais importantes e impactantes da CPI e até mesmo do próprio Senado em muito tempo.

Contarato denunciou que foi alvo de um ataque homofóbico do empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, que foi o depoente do dia na comissão.

Senador Fabiano Contarato - Rede-ES
Senador Fabiano Contarato (Rede-ES) denunciou ataque lgbtfóbico por parte do empresário Otávio Fakhoury, que prestou depoimento à CPI da Pandemia/Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

“Eu aprendi que a orientação sexual não define caráter, a cor da pele não define o caráter, poder aquisitivo não define caráter”, disse. “Eu sonho com o dia em que eu não vou ser julgado por minha orientação sexual. Sonho com o dia em que meus filhos não serão julgados por ser negros. Eu sonho com um dia em que minha irmã não vai ser julgada por ser mulher e que o meu pai não será julgado por ser idoso”, disse Contarato.

“Esse dia ainda não chegou porque o senhor é o tipo da pessoa que retrata muito bem esse presidente da República, que fala na família, na família tradicional. Mas a minha família não é pior do que a sua porque a mesma certidão de casamento que o senhor tem eu também tenho; que fala na Pátria, que fala na legalidade, que fala na moralidade, mas o senhor é o principal violador dessa legalidade e moralidade; que fala em Deus acima de todos. Deus está no meio de nós”, completou.

O senador declarou que estava se expondo e expondo a própria família para que outras pessoas não precisassem fazer o mesmo. Ao ouvir as palavras de desculpas do depoente, Contarato ressaltou que o pedido de desculpas não deveriam ser para ele e, sim, para toda a população.

Não é brincadeira, é crime. E quem decidiu isso foi a Justiça. Em junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal criminalizar a homofobia, sendo enquadradas na forma de racismo até que o Congresso aprovasse uma legislação específica.

O relator desse julgamento foi o ministro Celso de Mello, que afirmou:

“Preconceito, discriminação, exclusão e até mesmo punições das mais atrozes, eis o extenso e cruel itinerário que tem sido historicamente percorrido pela comunidade LGBT, lamentavelmente exposta a atos de violências por impulsos transfóbicos”.

Um dos livros que mais mexeram comigo e recomendo para todos é “Ponto Cardeal”. O livro de Léonor de Récondo conta a história de Laurent, um homem casado, pai de dois filhos, que guarda o segredo de ser uma mulher. Laurent só se sente livre uma vez por semana, quando se torna Mathilda, quando está de vestido, salto alto e maquiagem.

“Mathilda encaixa um espelhinho no centro do volante, se olha, se acha bonita e triste ao mesmo tempo, observa o queixo, o nariz, os lábios. É o momento do despojo, o pior momento.”


Relacionadas
LITERATURA EM FATOS
Independentemente da sua área de estudo ou da sua profissão, você com certeza teve um professor que passou pela sua vida e te marcou
LITERATURA EM FATOS
O retorno de eventos e atividades econômicas está acontecendo em um momento em que apenas 40% da população está imunizada com as duas doses. Passaporte sanitário garante segurança neste momento
LITERATURA EM FATOS
Missão Inspiration4 leva tripulação civil para órbita da Terra e acirra corrida espacial
LITERATURA EM FATOS
Você com certeza se lembra daquele dia. Com quem estava, onde estava e como recebeu a notícia do ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos
LITERATURA EM FATOS
Ministro da Educação terá de dar explicações após falas contra alunos com deficiência
LITERATURA EM FATOS
Milhões de brasileiros passam fome enquanto os preços disparam
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.