esquema das Rachadinhas

STJ anula quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

5ª Turma atendeu pedido da defesa. Ministros anularam quebra de sigilo fiscal e bancário no caso das rachadinhas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça anulou as quebras dos sigilos do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das rachadinhas na Assembleia Legislativa no Rio de Janeiro.

Os ministros retomaram o julgamento de três recursos da defesa de Flávio Bolsonaro que começou em novembro, mas havia sido adiado após um pedido de vista. Nesta terça-feira (23), os ministros discutiram a legalidade das duas decisões do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que autorizaram as quebras de sigilos do senador Flávio Bolsonaro e dos outros investigados no esquema.

O senador Flávio Bolsonaro, acusado de chefiar esquema de 'rachadinhas' na Alerj.
O senador Flávio Bolsonaro, acusado de chefiar esquema de ‘rachadinhas’ na Alerj. Foto: Wilson Dias (Agência Brasil).

A anulação aconteceu por quatro votos a um. Os ministros entenderam que as quebras dos sigilos bancários e fiscal de Flávio Bolsonaro não foram devidamente fundamentadas na decisão judicial.

Votaram pela anulação os ministros João Otávio de Noronha, Reynaldo da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik. O voto contrário foi o do ministro Felix Fischer.

Outros dois recursos da defesa de Flávio Bolsonaro ficaram para a semana que vem. Na próxima terça-feira (2), a turma deve julgar supostas irregularidades na comunicação feita pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras e a validade de decisões tomadas pela primeira instância no caso.

Caso

A investigação começou em 2018 após um relatório do Coaf identificar movimentações suspeitas na conta bancária de Fabrício Queiroz. O ex-assessor do filho do presidente movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, período em que trabalhava com Flávio.

O senador, Queiroz e outras 15 pessoas são investigadas pelo esquema das rachadinhas, em que o parlamentar ficava com parte dos salários dos funcionários.

Relacionadas
Presidente usou imagem adulterada para promover lançamento do Amazônia 1
2022
Ex-presidente depende de decisão favorável do Judiciário para ser candidato
Letalidade recorde
Ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina Neto avalia que fechamento do comércio é o único caminho possível para deter a pandemia
Crime de calúnia
Denúncia foi apresentada por Flávio Dino, que alega ter tido sua imagem maculada por informação falsa
Avaliação do presidente
Rejeição ao presidente oscilou dentro da margem de erro desde fevereiro
Repercussão internacional
Avanço da covid-19 no Brasil é assunto em publicações internacionais

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.