balão MyNews
Artigos dos membros do MyNews
OPINIÃO

Driblar o teto de gastos: desonestidade intelectual, populista ou os dois?

Com uma agenda neoliberal fundamentada na redução do Estado ao mínimo e na permanência do teto de gastos, Bolsonaro se elege presidente com apoio do mercado, que tinha como “salvador” Paulo Guedes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Para entender a defesa do teto de gastos, primeiro devemos compreender o que é um neoliberal. De início, vamos acabar com essa história de “ultraliberal” (termo usado em notícias com relação ao Paulo Guedes), isso está longe de ser um termo correto, a escola econômica se chama neoliberalismo e, assim, seus defensores são neoliberais.
No Brasil, existem diversos expoentes e pensadores que defendem essa escola, entre eles Marcos Lisboa, Roberto Elery, Tiago Cavalcanti, Joaquim Levy, Pedro Malan, Gustavo Franco e outros. De forma simples, essa escola defende a intervenção mínima do estado na economia, laissez faire (que a oferta cria sua própria procura), todos os axiomas microeconômicos e microfundamentação da macroeconomia e, também, a mão invisível do mercado, onde o mercado se autorregula.

Dentro desta perspectiva, temos então a formação econômica da famosa Universidade de Chicago, que foi responsável pela formação econômica dos conhecidos “Chicagos Boys”, que transformaram o Chile em um laboratório para seus experimentos. Como resultado, a ascensão de Pinochet e a imposição de tais ideias levam hoje o Chile a ter diversos problemas sociais, especialmente no que se trata da previdência.

Contudo, onde o Brasil entra nesse caso? De onde surgiu o “salvador da pátria” Paulo Guedes? Qual a relevância de Guedes para a academia, ou até mesmo a política nacional antes de ser ministro? Por que esse drible do teto de gastos põe em cheque a formação e ideologia deste economista?

De modo geral, o Brasil teve, em seus anos iniciais pós-ditadura, uma forte influência do neoliberalismo. Como é historicamente ensinado, o primeiro governo legitimamente eleito foi o de Collor em 1989, tendo durado até 1992 quando o mesmo renunciou na certeza de ser impedido.

Neste governo, e especialmente após 1992, quando assume Itamar Franco, temos então a posse da pasta de Ministro de Estado da Fazenda o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que passa a organizar e orientar um grupo de economistas liderados por Pedro Malan, um dos expoentes do neoliberalismo brasileiro, para que fosse possível a estruturação do “Plano Real”.

Este plano tinha por objetivo não só mudar a moeda nacional, mas mecanismos para o controle da inflação que aterrorizou o país, tendo seu ápice o valor de 4.922% em junho de 1994, como mostra o Banco Central do Brasil. Desde então, a perspectiva dessa escola econômica tem tomado a frente das políticas econômicas brasileiras.
Este contexto segue até os anos de 2002, quando o então metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva (Lula) se elege presidente do Brasil e muito se tinha medo quanto a sua posse, especialmente por parte do mercado, na ilusão de que ele retiraria o poder das empresas e traria uma visão socialista para a economia brasileira.

Nada disso aconteceu e nem aconteceria, para vencer as eleições, Lula tem como vice-presidente José Alencar, empresário e político brasileiro, filiado inicialmente ao PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), depois ao PL (Partido Liberal) e então ao PRB (hoje conhecido como Republicanos). Todos esses partidos, que compõem o famoso “centrão”, estão muito longe de ser da ala da esquerda.

Assim, Lula com sua habilidade política, apoio popular e empresarial, governou o país entre 2002 e 2011 de um lado, sendo o “pai dos pobres”, onde via a necessidade de políticas sociais e trabalhistas para diminuição da desigualdade nacional e, por outro, a “mãe dos ricos”, onde necessitava diariamente de agradar o “mercado”.

Estes anos foram, com certeza, os mais rentáveis para a classe rica brasileira em todos os tempos. Assim, como continuação de sua política, elege Dilma, hábil economista e ex-ministra nos governos Lula, inicia como chefe do executivo tendo alta aprovação popular, mas certa preocupação do mercado, que se diluía com, novamente, a “parceria” do PMDB, elegendo assim, como seu vice, Michel Temer.

Dilma passa a tomar manobras da chamada “contabilidade criativa”, que são consideradas arriscadas e que descontentaram o mercado. Assim, para aliviar a pressão gerada por empresários, economistas neoliberais e afins, Dilma nomeia Joaquim Levy, já citado anteriormente como um neoliberal. Essa estratégia não se consolidou após o economista não conseguir controlar, nos seus 11 meses de pasta, a trajetória de crescimento do deficit orçamentário, gerando assim uma insatisfação do mercado com a presidenta eleita e uma decisão de que era necessário, para eles, “impeachar” Dilma.

Mesmo com a nomeação do pós-keynesiano Nelson Barbosa, que defende estímulo pelo lado da demanda que levariam a melhora nas contas públicas (caminho contrário ao neoliberalismo), temos a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma e que o leva a solicitar sua exoneração.

Com isso, chegamos ao penúltimo presidente, Michel Temer, que através do impeachment toma o poder e nomeia, mais um dos filhos de Chicago, Henrique Meirelles. Como ponto central para controle das contas públicas, Meirelles apresenta a Emenda Constitucional nº 95, que impõe à economia brasileira um teto de gastos, teto este defendido até recentemente pelo Ministro de Estado da Economia, Paulo Guedes.

Esta iniciativa de Meirelles fortalece fortemente a visão neoliberal para a economia defendida pelo até então banqueiro e economista com formação em Chicago, Paulo Guedes, que se torna o “posto Ipiranga” do desconhecido deputado de segunda divisão, mas já com intenções à presidência, Jair Messias Bolsonaro.

Com uma agenda neoliberal forte, fundamentada na redução do Estado ao mínimo e na permanência do teto de gastos para conter o avanço do estado na economia, Bolsonaro se elege presidente da República com apoio do mercado, que tinha como “salvador” a nomeação de Paulo Guedes e por outro lado o “herói da pátria” Sérgio Moro, aqui não trataremos do segundo.

Este “salvador” tem como principal medida, adivinhem, reduzir o estado ao mínimo, através de grandes privatizações. Além disso, um dos desafios perseguidos é o famoso “teto dos gastos” criado em 2016 por Henrique Meirelles. Na academia, este economista nunca teve uma relevância, aparentemente, sem nenhuma ou muito pouca produtividade, não existem artigos que o levam a ser um expoente, com exceção à sua formação de doutoramento em Chicago.

Guedes foi professor na Faculdade de Economia e Negócios na Universidade do Chile, posteriormente sócio e docente do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC). Com relação ao primeiro cargo, continuou sem produtividade em pesquisa, apenas declinando a aprender como se davam as políticas implementadas pelos “Chicago Boys” e na segunda, também com nenhuma ou baixíssima produtividade em pesquisa, liderando uma escola de formação totalmente neoliberal. Ou seja, sua relevância acadêmica estaria muito próximo de zero.

Com relação à política, Cristian Bofil revela que: “quando Guedes voltou de Chicago para o Brasil com seu doutorado, sentiu-se marginalizado. Os economistas que tinham a hegemonia naquele momento não lhe deram nem as posições acadêmicas, nem os cargos no governo que ele sentia que merecia”. Não tendo, então, qualquer relevância até a chegada de Bolsonaro ao poder. Apesar disso, sua habilidade com o mercado levou a fundar o Banco Pactual e constituir sua fortuna, que coincidentemente o banco teve seu crescimento alavancado pela falha do Plano Cruzado.

Coincidência, os neoliberais ganharem quando a população no geral sofre com problemas sociais? Recentemente, foi apresentado pela mídia a existência de offshores milionárias de Paulo Guedes que geravam milhões em lucro quando o dólar subia, ou seja, enquanto o então Ministro de Estado ganha fortunas, a população sofre com diversos problemas econômicos e sociais, especialmente pela inflação gerada, diretamente associada a inflação dos alimentos e pelo aumento no valor dos combustíveis devido ao preço internacional de commodities e alta do dólar.

Paulo Guedes, até recentemente, defendia que o “teto de gastos” deve ser mantido a quaisquer custas, enriquecendo-se com essa medida, como visto anteriormente e fazendo a população sofrer com diversos problemas sociais e econômicos. Contudo, dias atrás, é anunciado o “furo do teto”, que seria necessário para implantar o novo programa social que substituirá o Bolsa Família, conhecido como “Auxílio Brasil”.

Na contramão de todos os seus ideais e ideologia neoliberal, mas com o apoio do “centrão” e a necessidade de melhorar a popularidade do presidente Bolsonaro, Guedes defende este “furo do teto”. Inicialmente com medidas que atrasem o pagamento de precatórios por parte do governo e, com certeza, um aumento no fundo eleitoral para que os partidos deem seu aval, estima-se que este furo pode chegar ao valor de R$ 100 bilhões. Esta manobra pouco agrada o mercado, que rapidamente sofre com quedas da bolsa de valores e felicita o Ministro da Economia com a alta do dólar, fazendo-o em apenas 4 dias, lucrar o equivalente a R$ 1,4 milhão.

Neste sentido, vamos relembrar então a última pergunta e buscar respondê-la: “Por que esse drible do teto de gastos põe em cheque a formação e ideologia deste economista?”. Primeiro, põe em cheque, pois toda a sua defesa ao longo da sua vida foi em razão de manter o teto para o controle das contas públicas e redução ao estado mínimo, mas gerando uma ascensão populista de si mesmo e melhorando a popularidade do presidente Bolsonaro.

Isso mostra que Paulo Guedes não se trata de um neoliberal fervoroso como se desenhava, mas uma pessoa apegada ao cargo que se sujeita a qualquer imposição da política para se manter como ministro.

No entanto, põe o que há de mais forte na formação econômica neoliberal em defesa, pois defende os direitos individuais do ministro sem se preocupar com o coletivo e a necessidade de ascensão social e econômica da maioria da população, mantendo quem é rico cada vez mais rico e quem é pobre cada vez mais pobre, aumentando assim a desigualdade social, andando na contramão do mundo. Fica agora, através desta coluna, a oportunidade dos leitores responderem a pergunta do título.


Quem é João Gabriel de Araújo Oliveira?

João Gabriel de Araujo Oliveira é doutorando em Economia Política pela Universidade de Brasília (UNB). Mestre em Economia Regional, com ênfase na pesquisa sobre “Distribuição de Renda e Orientação Política”

* As opiniões das colunas são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a visão do Canal MyNews


Leia também – Os eternos barões e “baroas” do Brasil

Já que você está aqui… Um recadinho rápido: o apoio ao jornalismo é fundamental para a democracia. O programa de membros do MyNews é essencial para que continuemos reportando fatos, promovendo debates e fiscalizando o poder. Ao apoiar o Canal, você tem acesso a programas exclusivos, descontos em livros, uma newsletter extra, análises, reportagens e entrevistas especiais. Além de poder escrever para o “Você Colunista”.

Relacionadas
OPINIÃO
Em 4 anos no poder, Bolsonaro viveu uma eternidade. O presidente sobreviveu em uma época que se compreendia muita coisa ou se tolerava muita coisa, deu risada, e agora corre para encontrar o seu partido. Fez sua politica e agora busca um espaço para enfrentar seus grandes vilões
OPINIÃO
Após a queda de Omar Hassan al-Bashir, foi criado o Conselho Soberano do Sudão, com a proposta de formar um governo temporário. O golpe do último 25 de outubro interrompeu um delicado processo de transição democrática
OPINIÃO
Os seguidos reajustes dos combustíveis no Brasil têm relação com a política de preços adotada pela Petrobras. Bolsonaro tem culpa sobre esta questão?
OPINIÃO
Forte tensão política e humanitária se instala na Europa desde que o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, em resposta às sanções aplicadas pelos vizinhos, decidiu utilizar um tipo diferente de munição: a migração em massa
OPINIÃO
Como dizem por aí, o mundo não gira, ele capota, e a história sempre teima em se repetir. É impressionante como o cenário no Chile caminha igual ao do Brasil pós manifestações de 2013
OPINIÃO
Atualmente a palavra que define o clima político no Brasil é polarização. Especialistas reclamam que o debate dividido entre dois polos é prejudicial às grandes questões que o país tem de enfrentar
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.