balão MyNews
Artigos dos membros do MyNews
OPINIÃO

Mudar para o que somos ou a utopia do éden

O consumo da carne implica escravidão, tortura e morte de seres sencientes. E qual é o argumento em defesa da morte dos animais que sobrevive ao cabo das reflexões, quando imergimos no assunto?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No finalzinho do século passado, troquei uma carreira de bancário, que nunca assumi de fato, pela de professor que levei as últimas consequências, na medida das minhas possibilidades e limitações. É verdade que, agora, aposentado, me questiono sobre o que vim fazer no mundo, mas isto é outro assunto. O fato é que de bancário a professor mudei muito, em vários aspectos.

Recentemente, tive, meio que acidentalmente, contato com um ex-colega do Banco e conversamos longamente, principalmente, sobre o destino que nos levou a caminhos tão diferentes e, a certa altura das confissões memorialísticas, revelei, para completo espanto dele, que optei pelo frugivorismo. Bem, ele, em princípio, não sabia da significação do termo, penso que meu acidental leitor também não saiba. Não sei. Vou explicar e inserir outros termos correlatos à condição frugívora.

Os onívoros são aqueles que comem alimentos tanto de origem animal como vegetal, isto é, a grande maioria das pessoas. Quem se abstém apenas da carne são designados vegetarianos, e, por fim, há os que se abstém de todos os produtos derivados dos demais animais, os veganos ou vegetarianos estritos, se ficarmos reduzidos somente à dieta. É preciso lembrar às pessoas que peixe e frango são animais, portanto, veganos respeitam seus direitos. Mesmo o mel, cuja produção implica escravidão dos produtores, o consumo é condenado.

Dentre os veganos, temos, ainda, os crudívoros. Aqui, para muitos, a coisa começa a ficar assustadora. Crudívoros são aqueles que comem tudo cru, abstendo-se até do arroz com feijão. É o fim do fogão.

Há ainda uma última classificação na qual eu próprio cada vez mais me aproximo para espanto dos que me conheceram no século passado: o frugivorismo em que a alimentação fica restrita às frutas, verduras e legumes (dieta do Éden) que podem ser comido cru ou levemente aquecido a uma temperatura menor que 38 ºC (temperatura ambiente), em que os alimentos não sofrem perdas dos seus nutrientes. Esta é a alimentação dos bonobos, primatas antropoides, parentes dos chipanzés, cuja carga genética é 98,7 % semelhante a do homem.

Passei, portanto, para o universo das normais apreensões, por mudanças extraordinárias e questionáveis. O debate em torno de tais questões envolvem comentários da insuficiência de cálcio e proteínas que só seriam oferecidos pelos produtos de origem animal e, por mais que a ciência demonstre com dados que é perfeitamente saudável e preferível uma alimentação vegana, as pessoas, de uma maneira geral, permanecem impermeáveis, talvez, pela hipnose da massiva propaganda da indústria da morte: do porco feliz em se tornar bacon, da galinha que pula na panela ou da vaquinha sorrindo no pasto, isto é, a naturalização de um estado de coisas que esconde o holocausto animal.

Eu não sei, exatamente, como fui alertado para o veganismo, se foi a saúde ou a solidariedade aos animais. Foi um processo que envolve o conhecimento (consciência) de que não precisamos de carne para viver bem. O conhecimento, por sua vez, precisa da inteligência para promover a mudança (educação) e na inteligência há uma dose de sensibilidade muito particular de cada um.

Ora, conhecimento, inteligência e sensibilidade: pensar sentindo e sentir pensando como é próprio da nossa racionalidade.

Tal perspectiva não é absorvida pelos defensores do churrasco e, por vezes, não adianta nenhum argumento quando a sensibilidade não entra em campo. O consumo da carne implica escravidão, tortura e morte de seres sencientes, seres que sentem, que querem viver. E qual é o argumento em defesa da morte dos animais que sobrevive ao cabo das reflexões, quando imergimos no assunto? O paladar. Um prazer superficial se torna essencial para o especista.

Os defensores da causa animal, no qual eu me alinho, consideram que este especismo (prioridade da nossa espécie em detrimentos aos demais seres sencientes) será superado como já fizemos quando as vítimas foram as mulheres, os negros e os homossexuais. Ora, superamos a misoginia, o racismo e a homofobia, apesar da tensão que ainda permanece e haveremos de superar o especismo e alcançar a utopia do Éden com a harmonia de todas as espécies, além da dieta.


Quem é Dante Gatto?

Dante Gatto é doutor em Letras pela UNESP de Assis/SP e professor da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

* As opiniões das colunas são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a visão do Canal MyNews


Já que você está aqui… Um recadinho rápido: o apoio ao jornalismo é fundamental para a democracia. O programa de membros do MyNews é essencial para que continuemos reportando fatos, promovendo debates e fiscalizando o poder. Ao apoiar o Canal, você tem acesso a programas exclusivos, descontos em livros, uma newsletter extra, análises, reportagens e entrevistas especiais. Além de poder escrever para o “Você Colunista”.

Relacionadas
OPINIÃO
Em 4 anos no poder, Bolsonaro viveu uma eternidade. O presidente sobreviveu em uma época que se compreendia muita coisa ou se tolerava muita coisa, deu risada, e agora corre para encontrar o seu partido. Fez sua politica e agora busca um espaço para enfrentar seus grandes vilões
OPINIÃO
Após a queda de Omar Hassan al-Bashir, foi criado o Conselho Soberano do Sudão, com a proposta de formar um governo temporário. O golpe do último 25 de outubro interrompeu um delicado processo de transição democrática
OPINIÃO
Os seguidos reajustes dos combustíveis no Brasil têm relação com a política de preços adotada pela Petrobras. Bolsonaro tem culpa sobre esta questão?
OPINIÃO
Forte tensão política e humanitária se instala na Europa desde que o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, em resposta às sanções aplicadas pelos vizinhos, decidiu utilizar um tipo diferente de munição: a migração em massa
OPINIÃO
Como dizem por aí, o mundo não gira, ele capota, e a história sempre teima em se repetir. É impressionante como o cenário no Chile caminha igual ao do Brasil pós manifestações de 2013
OPINIÃO
Atualmente a palavra que define o clima político no Brasil é polarização. Especialistas reclamam que o debate dividido entre dois polos é prejudicial às grandes questões que o país tem de enfrentar
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.